tecnicoeduardobarros

Temas atuais relacionados ao Futebol

Archive for junho 2011

DVD’s: os “melhores momentos” dos jogadores de futebol

leave a comment »

Material produzido reflete a visão atual do mercado sobre o produto atleta de futebol

No ambiente corporativo, a contratação de bons profissionais passa inicialmente pelo crivo da seleção de currículos e, num segundo momento, iniciam as entrevistas e dinâmicas de grupo. Para jogadores de futebol, a criação do seu DVD é o seu currículo e, consequentemente, carta de apresentação para os procedimentos iniciais de uma possível contratação.

As contratações e negociações de atletas acontecem em todos os níveis do futebol, entre equipes de base e profissionais, em transferências no país ou internacionais, nas primeiras e nas últimas divisões nacionais, por intermédio de empresários, agentes, dirigentes e até por indicações de treinadores.

Para quem já teve oportunidade de assistir à edição de jogos de algum atleta, provavelmente deve ter se deparado com uma exacerbação de qualidades técnicas, com imagens fechadas em um ou dois jogadores na maioria das ações, com predomínio de jogadas individuais e ações exclusivamente com bola.

Nestas edições, os vídeos dos goleiros compreendem as ações diretas de defesa e algumas saídas do gol, os dos defensores, os desarmes, carrinhos, subidas de cabeça e interceptações e nos vídeos dos atacantes observam-se os dribles, finalizações e gols. Para cada posição, os vídeos resumem-se aos fundamentos técnicos mais utilizados pelas suas regras de ação.

Nos grandes clubes, que devem contratar bons jogadores ou então potenciais bons jogadores em atividade, conhecer a performance atual de um atleta é simples. Com um departamento de análise de desempenho, bons analistas, vídeos e relatórios de vários jogos do atleta pretendido, é possível definir se o jogador em questão atende aos interesses da diretoria e/ou comissão técnica em relação ao desempenho de jogo.

Já para todos os demais clubes (a grande maioria), que são os não tão grandes, os pequenos, os formadores e até os que nem sabem o que são, a realidade já não é a mesma. Departamento de análise de desempenho e analistas inexistem. No entanto, do menor ao maior clube, em todas as salas dos Departamentos de Futebol espalhadas pelo Brasil, inúmeros DVD’s se acumulam semana após semana.

A questão é: os DVD’s existentes realmente mostram os “melhores momentos” de um determinado jogador de futebol? Infelizmente, não!

Com a precocidade das negociações do mercado atual e a repercussão gerada pela mídia, é bastante comum meninos de 13, 14 e 15 anos já terem seus “melhores momentos” editadosem um DVDe distribuídos pelos pais em diversos clubes e até postados na internet.

A partir dos 16 anos, a quantidade de DVD’s é espantosa. Distribuídos por agências, dirigentes e empresários, esses materiais chegam até aos clubes, para agregar valor ao produto jogador de futebol e despertar interesse de contratação.

O conteúdo, porém, não permite a identificação de todas as características de jogo de determinado atleta para além de sua relação com a bola. Um bom material deveria apresentar predomínio de imagens amplas, que visualizassem diversos jogadores na mesma ação e que possibilitassem a observação dos comportamentos não só individuais como coletivos para cada momento do jogo.

Independente da posição, um bom DVD deveria conter ações ofensivas, defensivas e de transições do jogador para ações com e sem bola.

No olhar tradicional, os “melhores momentos” são observados somente quando o jogador tem a bola sob seus pés (ou mãos, no caso dos goleiros), mas, quem já superou esse paradigma sabe que o tempo sem bola ao longo de um jogo é consideravelmente superior ao tempo com bola. Logo, muitos melhores momentos durante uma partida acontecem quando o jogador está exercendo alguma ação sem bola que identifica o seu nível de compreensão do jogo.

Com bons DVD’s em mãos, equipes profissionais com poucos recursos financeiros e equipes de futebol de base poderiam ser mais precisas nas contratações, reduzindo seus custos.

Exemplificando:

Para aquelas três vagas que existem no alojamento não precisam passar vinte atletas até três serem escolhidos pelo treinador e dirigentes para permanecer no clube. Uma pré-seleção a partir do DVD pode ser feita e seis ou sete atletas convidados para a segunda fase do processo seletivo.

Uma equipe apresenta carência em uma posição e o treinador precisa de um meio campista que já tenha jogado aberto em uma plataforma 1-4-4-2 em duas linhas de quatro, faça diagonais com e sem bola em velocidade, tenha bom passe curto e longo, seja veloz na transição defensiva para passar a linha da bola e feche linhas de passe para marcar. Quando sua equipe recupera a posse, busca rapidamente a faixa lateral do campo. Um bom DVD lhe pouparia tempo para encontrar tal jogador.

Em relação às negociações, apresentar bons DVD’s aumentaria o poder de barganha para a negociação, sendo valorizado o currículo do jogador de futebol e apresentado com a maior fidedignidade possível o seu desempenho técnico-tático-físico-emocional.

Porém, antes de mudar os DVD’s existentes no futebol brasileiro a visão do mercado sobre o atleta deverá mudar. Treinadores, dirigentes, empresários e agentes precisam enxergar de maneira ampliada as funções de um jogador de futebol, pois a produção dos “melhores momentos” atuais somente contribui para a manutenção de um pensamento reducionista, limitado as ações técnicas do jogo e que escondem muitas características de cada jogador.

Como para tudo na vida, a mudança não acontecerá na mesma velocidade e com todas as pessoas. Seguramente, aqueles que mais rapidamente se adaptarem terão maiores chances de sucesso no concorrido mercado futebolístico, seja para captar bons jogadores, ou então, para negociar o seu produto.

E se um dia todos mudarem, no período de recesso do futebol europeu, talvez não escutemos mais inúmeras declarações de jogadores brasileiros dizendo que os treinamentos por lá são muito diferentes dos treinamentos feitos por aqui, principalmente no que diz respeito a “parte tática”.

Você já viu um bom DVD?

Anúncios

Written by Eduardo Barros

26 de junho de 2011 at 20:47

O “Estado de Jogo”

with one comment

A complexa missão de alcançá-lo e mantê-lo

Numa determinada sessão de treino, é significativamente difícil ter todos os atletas focados, comprometidos, cientes dos objetivos do treino na aplicação de um determinado jogo, entendendo suas regras, compreendendo sua lógica e agindo em função do seu cumprimento.

A ação pedagógica torna-se ainda mais trabalhosa se for considerado um ambiente em que pais, mídia, diversos treinadores e os próprios atletas afirmam que os jogadores de futebol já nascem prontos e também a convivência diária com jovens promissores que, certas vezes, tomam como exemplo alguns comportamentos de atletas pouco profissionais.

Porém, como mediador de um processo de evolução do “jogar” da equipe e como agente formador (e transformador), é função do treinador extrair o melhor de cada um de seus atletas e facilitar, por meio de sua liderança, abordagem, intervenção, comportamento e didática, o acesso ao “estado de jogo”, que é um grande parâmetro de qualidade do treino para quem ensina com Jogos.

O “estado de jogo”, definido pelo Dr. Alcides Scaglia, é caracterizado pela suspensão momentânea da realidade, onde há predomínio da subjetividade em detrimento da objetividade e que o seu ambiente (contexto) irá definir o que é ou não jogo.

No plano coletivo, ao iniciar um jogo da sessão de treinamento, é objetivo do treinador que, ao soar o apito inicial, toda a equipe rapidamente alcance referida condição. No entanto, quem já utiliza o jogo como metodologia de ensino perceberá que tal objetivo nem sempre é alcançado em todos os atletas.

Nem sempre é alcançado, pois no plano individual, cada elemento (jogador) do jogo encontra-se com foco, comprometimento e nível de compreensão da atividade distintos. Equalizar estes três fatores é a missão do treinador que pode ter início a partir dos questionamentos abaixo:

É possível entrar em “estado de jogo” preocupado com problemas particulares?

É possível entrar em “estado de jogo” insatisfeito com a perda da condição de titular?

É possível entrar em “estado de jogo” o atleta que não gosta de treinar?

É possível entrar em “estado de jogo” se, minutos antes da atividade, ao invés de discutir com a equipe o comportamento para o jogo em questão, a conversa referia-se ao lazer do último final de semana?

É possível entrar em “estado de jogo” se, minutos antes da atividade, ao invés de discutir com a equipe o comportamento para o jogo em questão, o atleta fica chutando bolas para o gol?

É possível entrar em “estado de jogo” se o treino aplicado encontra-se acima da zona proximal de desenvolvimento da equipe?

É possível entrar em “estado de jogo” se o treino aplicado encontra-se abaixo da zona proximal de desenvolvimento da equipe?

É possível entrar em “estado de jogo” aplicando exatamente o mesmo treinamento por um longo período de tempo?

É possível entrar em “estado de jogo” aplicando um treino com quantidade excessiva de regras sem devida progressão complexa?

É possível manter-se em “estado de jogo” se, a todo instante, o treinador para o treino para suas abordagens?

É possível manter-se em “estado de jogo” se o treinador deixa seguir o lance em que a bola saiu do campo de jogo somente alguns centímetros, afinal a atividade “é só pra treinar”?

É possível manter-se em “estado de jogo” quando a diferença de pontos no placar fica considerável?

Para cada questionamento, existe a melhor solução a ser encontrada pelo treinador. Para equipes diferentes, soluções diferentes. Para jogadores diferentes, respostas também diferentes. Logo, a “fórmula mágica” para o acesso ao “estado de jogo” está longe de ser encontrada em livros, teses ou dissertações.

Nestas fontes, porém, podem ser encontrados os embasamentos científicos para cada ação do treinador que contribuem para atingir o mais rápido possível o “estado de jogo” e sua manutenção até o apito final.

O que fazer em cada questionamento parece simples, como podem ser lidos nos exemplos abaixo:

Atletas com problemas particulares (financeiros, familiares, etc) necessitam de abordagens para que consigam esquecer, ao menos momentaneamente, o mundo real para alcançarem o mundo do jogo.

O foco na insatisfação, e não no jogo, com certeza atrapalhará o acesso ao “estado de jogo”.

Quem não gosta de treinar (jogar) não deve ser atleta de futebol, logo, não deve fazer parte de um elenco!

No treinamento, criar procedimentos em que a concentração esteja nas atividades do dia e que quaisquer ações/conversas paralelas não cabem, é missão do treinador.

Chutar bolas para o gol quando o treino vai iniciar é uma das atividades que não cabe.

A leitura minuciosa da equipe e jogadores permitirá ao treinador a criação de jogos adequados ao nível de desenvolvimento dos mesmos.

Com a evolução da equipe, os problemas se modificam, logo, os treinos também devem se modificar.

Demorar muito tempo para compreender as regras pode comprometer o tempo de entendimento do que fazer para ganhar o jogo.

Saber quando parar o jogo é indispensável para a manutenção da suspensão da realidade.

Se a bola saiu, mesmo que alguns centímetros, ela saiu. Não estrague o jogo!

Estabelecer a cultura de não aceitar derrotas, no mais simples jogo, faz com que o “estado de jogo” termine somente no apito final.

Agora, o COMO fazer, é o desafio de cada treinador a partir da já mencionadas liderança, abordagem, intervenção, comportamento e didática.

Então, no mundo ideal, em que todos os atletas estiverem em perfeito “estado de jogo”, que é o objetivo do treinador, os problemas estarão resolvidos?

É claro que não! O “estado de jogo” só faz sentido se as devidas respostas de cada jogador para cada problema do jogo estiverem alinhadas ao Modelo de Jogo da equipe e a ideia de jogo do treinador.

Mas isto é tema para outra coluna.

Written by Eduardo Barros

19 de junho de 2011 at 11:57

O Currículo de Formação do Atleta de Futebol – Parte II

leave a comment »

A definição de oito grandes conteúdos, visando a excelência do processo de formação

Há algumas semanas, foi proposta, aos profissionais das categorias de base, a iniciativa sobre o desenvolvimento do Currículo de Formação do Atleta de Futebol. Este material deve ser elaborado com o devido alinhamento à cultura e objetivos do clube e sua aplicação é pré-requisito para o desenvolvimento de um bom processo de formação diante das tendências do mercado.

Dias após a publicação da coluna, uma entrevista com Thiago Duarte foi postada na Universidade e, dentre os temas discutidos, estava o D.O.M (Documento Orientador Metodológico). Thiago, coordenador técnico das categorias de base do Grêmio-RS, é o responsável pela elaboração do material que tem como objetivo formar atletas de futebol, a partir da filosofia e cultura do clube, caracterizando o “Jogar ao Grêmio”.

Um grande clube do futebol brasileiro já é um ótimo exemplo por conter profissionais que estão se preparando e agindo diante do novo cenário futebolístico que se desenha. Os concorrentes (outros grandes clubes, times de menor expressão com tradição em categorias de base e clubes formadores emergentes) que não se adequarem a esta nova realidade correm sérios riscos de realizarem investimentos sem retorno e sustentabilidade no médio e longo prazo.

Ciente deste cenário e respeitando as limitações estruturais, financeiras, de recursos humanos, outrora comentados, a diretoria do Paulínia FC selecionou cinco profissionais, no ano de 2009, para o desenvolvimento do material denominado Metodologia Futebol Arte. Nele deveriam constar os conteúdos e temas relativos ao processo de formação do sub-11 ao sub-20.

Além de apontar os oito grandes conteúdos que compreendem o processo de formação, o objetivo da coluna desta semana é padronizar algumas linguagens que serão utilizadas em colunas futuras.

Antes de apresentá-los, porém, é necessária a divulgação do nome dos outros quatro profissionais que contribuíram na elaboração do referido material: Anderson Gôngora, Cristian Lizana, Erick Martins e Lucas Leonardo. Este último coordenou a produção, porém, atualmente não trabalha mais com futebol.

O tempo de início e conclusão do Currículo foi de seis meses, sendo feitas três a quatro reuniões semanais de duas horas cada, com saudáveis (mas nem sempre amistosas) discussões baseadas em diversos autores que discorrem sobre o ensino dos JDC, complexidade, teoria dos jogos, além das opiniões e experiências dos integrantes do grupo e, eventualmente, dos demais profissionais do clube.

O primeiro conteúdo é a Lógica do Jogo, que norteia todo o Processo de Formação e que se subdivide nos seguintes temas: 

  • Abordar a Lógica do Jogo Formal;
  • Aplicar a Lógica do Jogo Formal. 

O segundo conteúdo compreende as Competências Essenciais do Jogo. Tais competências se manifestam em quaisquer jogos coletivos e quanto melhor a sua manifestação, melhor será o nível de jogo realizado.  Subdivide-se em: 

  • Relação com a bola;
  • Estruturação do espaço;
  • Comunicação na ação (Leitura de Jogo). 

As Referências do Jogo de Futebol fazem parte do terceiro conteúdo. Dominar as referências, de forma circunscrita ao jogo, contribui para a orientação de novas formas de cumprir a Lógica do Jogo. Este conteúdo contém como temas: 

  • Plataformas de Jogo;
  • Referências Operacionais;
  • Referências Espaciais;
  • Referências Atitudinais. 

O quarto conteúdo é composto pelo nível Estratégico-Tático do Jogo. A componente estratégica oferece aplicações pré-definidas pelo Modelo de Jogo e a componente tática, pelas emergências (problemas) do jogo e apresentam os temas abaixo: 

  • Estratégias ofensivas;
  • Estratégias defensivas;
  • Reposições de bola;
  • Bolas Paradas;
  • Meios Táticos. 

O conteúdo seguinte é relativo às Funções no Jogo e apresenta como temas: 

  • Jogar em uma Posição;
  • Cumprir outras Regras de Ação;
  • Jogar em mais de uma Posição. 

O sexto conteúdo denomina-se Relação com Companheiros e é desenvolvido em função da capacidade de jogo dos praticantes e tem como subdivisão os seguintes temas: 

  • Jogar em pequenos grupos (até 3 jogadores);
  • Jogar em médios grupos (de 4 a 7 jogadores);
  • Jogar em grandes grupos (mais de 8 jogadores). 

Fisiologia e Saúde fazem parte do penúltimo conteúdo, que inclui: 

  • Conhecimento dos grupos musculares;
  • Consciência corporal;
  • Vivência em academia;
  • Exercícios profiláticos. 

O oitavo conteúdo é denominado Apoio Didático e é composto pelas atividades complementares extra-campo, de caráter técnico, para contribuição no processo de ensino-aprendizagem. Apresenta como temas: 

  • Palestras do Modelo de Jogo;
  • Palestras de jogos profissionais;
  • Palestras de jogos da própria equipe;
  • Palestras de jogos do adversário. 

Para todos estes temas (em outras colunas virão os sub-temas), estabeleceram-se “pesos” subjetivos, de 0 a 5, que foram distribuídos, para aplicação no processo de treinamento, entre todas as categorias do clube. Quanto maior o “peso”, maior a importância da aprendizagem do tema. Para alguns temas, a letra “X” substitui a presença do número indicando que determinado conteúdo já foi aprendido pela categoria. O número zero indica que determinado tema não deverá ser abordado.

Ainda sobre a interpretação do currículo, outro ponto é de fundamental importância e se refere às dimensões do aprendizado. Para isto, os termos “conhecer, vivenciar e aprender” correspondem aos primeiros contatos com cada tema e a abordagem do treinador deverá ser constante para assimilação dos objetivos propostos nas atividades. Realizado o contato inicial, a “aplicação” e “aperfeiçoamento” deverão ser observados para excelência e acomodação do aprendizado, inclusive quando determinado tema não for o objetivo específico da atividade. E, por último, “dominar” o tema com a maior competência possível na sua execução.

Para finalizar, é válido salientar que o Currículo do Paulínia FC não é um documento fechado, pronto e que não receberá alterações. É apenas um material de desenvolvimento de um processo de formação que, com exceção do sétimo conteúdo, Fisiologia e Saúde, utiliza o Jogo como método de ensino. Sua aplicabilidade (lembrando que tem somente um ano e meio de existência) está sendo observada para que adequações sejam feitas e possíveis equívocos, sanados. Outra consideração, refere-se às limitações de toda a gestão que refletem com maior ou menor magnitude no trabalho de campo.

No entanto, não é possível aguardar o “mundo ideal” para serem dados os primeiros passos de uma longa e trabalhosa caminhada. Caminhada, em que muitas questões, acertos e erros serão discutidos com profissionais do futebol dispostos a compartilhar conhecimento.

Até a próxima semana!

Written by Eduardo Barros

12 de junho de 2011 at 10:25

Barcelona 3 vs 1 Manchester United

leave a comment »

Conheça algumas lições táticas do duelo entre os gigantes europeus pela final da UCL 

Já se passaram alguns dias da final da Uefa Champions League. Tal fato pode dar a falsa impressão que a discussão dos acontecimentos da decisão de Wembley já não é mais relevante. No entanto, profissionais do futebol que almejam sucesso em sua carreira precisam ver, rever e aprender em cada lance do belíssimo confronto entre Manchester United e Barcelona.

Alguns comportamentos de jogo da equipe espanhola são conhecidos por todos. A posse de bola no campo de ataque, a clareza para fazê-la circular com Xavi e Iniesta, os apoios constantes de Dani Alves e a imprevisibilidade com a bola nos pés de Lionel Messi são pronunciados desde a mídia especializada ao mais simples torcedor e admirador de futebol.

Sobre a final, quem acompanhou os noticiários esportivos ou assistiu à partida provavelmente observou os diversos comentários em relação à equipe inglesa, que iniciou o jogo pressionando o adversário, porém, aos poucos, esta pressão foi diminuindo e permitindo que o Barcelona conseguisse impor suas características de jogo.

Estas informações são suficientes para a grande maioria das pessoas. No entanto, são superficiais para quem pretende ser um bom profissional do futebol. Ler o duelo, realizar suas interpretações, pensar suas decisões caso você fosse um dos integrantes do corpo técnico das equipes e imaginar como construiria uma estratégia vencedora é um exercício trabalhoso, de certa forma utópico, porém, fundamental para seu aperfeiçoamento e crescimento profissional.

Vamos ao jogo:

O Manchester, assim como toda a imprensa afirmou, começou pressionando os comandados por Pep Guardiola. Para isso, a equipe de Ferguson subiu em bloco alto e realizou pressing zonais conforme exemplificado no vídeo abaixo: 

http://www.youtube.com/watch?v=005aNoLPTIY 

Durante todo o primeiro tempo, a quantidade de ataques ao adversário (no centro do jogo), seja em ações defensivas ou em ações de transição defensiva, visando pressioná-lo em espaço e tempo para agir, foi: 

  Com o bloco alto e tentativas constantes de forçar o erro do Barcelona, a equipe inglesa teve com Park e Rooney os principais jogadores para aplicar esta forma de jogar. Giggs e Carrick, mais acostumados com a estruturação de espaço zonal sem ações de recuperação da posse foram ineficientes nesta função defensiva e de transição defensiva.

Coletivamente, esta proposta dificultava a diminuição do espaço entre linhas da equipe. Com a subida dos atacantes e meias, implicava num posicionamento adiantado da linha defensiva que nem sempre acontecia. Em uma dessas indefinições, a linha não subiu, Carrick titubeou entre apressar e recompor, e após receber um passe de Iniesta, Xavi achou um espaço aberto no “muro inglês”, feito por Evra, e assistiu Pedro no lance em que o Barcelona fez 1 a 0. Veja toda a jogada: 

http://www.youtube.com/watch?v=EvY8djEuc4E 

Perdendo o jogo, teoricamente, a equipe inglesa deveria apresentar o mesmo comportamento do início da partida. Mas, no trecho abaixo, nota-se pela impaciência de Rooney que ele não acontecia. 

http://www.youtube.com/watch?v=yTf-fXJwEYU 

Em contrapartida, a equipe catalã, em todo momento com seu característico jogo de recuperação da posse, pressionava o adversário, apressando-o e fechando suas linhas de passe, como pode ser visto no vídeo a seguir: 

http://www.youtube.com/watch?v=VYnYwMocQ2w 

Para sobressair ao pressing dos comandados por Pep Guardiola, nenhum dos comportamentos padrão da organização ofensiva e da transição ofensiva do Manchester United ocorreram com frequência. Fábio e Evra tiveram dificuldades em ampliar o espaço efetivo de jogo, a bola nunca chegava ao campo de ataque com Valencia desmarcado, Carrick não abria linhas de passe para Ferdinand e Vidic e, consequentemente, a bola não passava por Rooney, que gosta de tê-la para gerenciar a fase ofensiva inglesa. Tampouco os passes longos de Van der Sar chegavam ao setor pretendido (à sombra de Valencia, sempre estava Abidal). Como resultado, inúmeros foras de jogo de Chicharito originários das transições ofensivas verticais ao longo do primeiro tempo.

Com 15 minutos de intervalo e igualdade no placar, uma pausa para recuperação física-técnica-tática-emocional e um tempo precioso para ajustes estratégicos e intervenções dos coaches.

Na volta ao campo, as ações de pressing realizadas pela equipe inglesa reduziram-se consideravelmente, conforme pode ser observado no quadro abaixo: 

Durante todo o segundo tempo, a confirmação do que tornou a equipe espanhola o melhor time do mundo e que foi esboçado nos primeiros 45 minutos. Os ingleses não entraram para a segunda etapa com um jogo em alta velocidade de recuperação da posse. Ao todo, foram 101 ações de pressing, contra 94 ações realizadas pelo Barcelona, porém, os ingleses tiveram somente 22min11seg de posse de bola (37%) contra 38min54seg (63%) do adversário.

No gol sofrido aos 8 minutos do segundo tempo, em quase 30 segundos de posse de bola, o Barcelona desmontou as duas “linhas de 4” inglesas, em que Evra ficou marcando Villa individualmente e Giggs aberto e recuado demais, atento com a descida de Daniel Alves. Com isso, sobraram alguns metros para Messi conduzir, arrematar e fazer o seu primeiro gol em território inglês. 

http://www.youtube.com/watch?v=3zI3p0DiW9g 

O restante da história todos já sabem: predomínio da bola com Xavi, Messi, Iniesta, Busquets e cia, e mais um gol para a definição do título, num jogo em que as ações inglesas em nenhum momento foram superiores à contra-estratégia espanhola. Seguramente, diversas lições ainda poderão ser tiradas deste confronto à medida que ele for assistido outras vezes.

Para terminar, Alex Ferguson afirmou que buscará melhorar para enfrentar a melhor equipe do mundo em outra oportunidade.

E você, leitor, como venceria o Barcelona?

Written by Eduardo Barros

5 de junho de 2011 at 10:23